Translate

segunda-feira, 14 de setembro de 2015

"A odisseia de Malorie" ou Caixa de Pássaros. Como lidar com um final que não coloca um ponto final no assunto ? Versão estendida com os motivos de esse ser um livro tão aterrorizante.



As 2:43  de hoje  terminei  de ler "Caixa de Pássaros"  e ainda não sei muito bem o quanto gostei 
dele. A odisseia de Malorie em busca de segurança para criar seus filhos é bastante  interessante.
Eu esperava me deparar  com alguns clichês básicos de livros pós apocalípticos, não encontrei boa parte deles e  isso me surpreendeu bastante. De uma maneira geral o livro é interessante e o suspense é bastante instigante, tem vários pontos fortes, que fogem do comum, mas algumas coisas não ficaram legais.


Nada de armamento militar, balas e etc. Nesse livros as pessoas estão sobrevivendo como podem.
As proteções e as armas são improvisadas, dando aos sobreviventes algo de Don Quixote, neles as pessoas usam o que tem para se proteger, e é claro que essas tentativas as vezes beiram ao ridículo. Não podemos esperar que apenas os militares e para militares sobrevivam, as pessoas comuns também estão lá, e para elas as armas são utensílios domésticos e as defesas também são improvisadas. Outra coisa que me chamou a atenção foi o fato de que nele as pessoas possuem teorias diferentes e nele também as pessoas morrem por testá-las.
Quanto ao titulo, eu estava esperando que caixa de pássaros se referisse ao fato de agora os poucos sobreviventes estarem vivendo confinados, sem uma saída possível,quando TOM apareceu com aquela bendita caixa eu pensei :

nossa que chato, não era uma analogia e coisa e tal,  mas ai  a Malorie salva todas as minhas expectativas e faz a alusão a essa prisão sem grades na seguinte frase :
"O mundo está trancado na mesma caixa de papelão que abriga os pássaros lá fora Gary."
 Acho interessante a maneira como o autor lidou  com os padrões de sanidade e de atrocidades que acompanham determinadas situações. Em um mundo normal, considerar cegar recém nascidos não iria passar de uma grande atrocidade, mas em um mundo em que isso pode significar a morte, isso seria tão "bárbaro" tão atroz? Talvez não fosse a escolha correta, mas ninguém poderia julgar seriamente quem optasse por ela. Desde o começo percebi que a Malorie tinha uma relação de admiração muito maior pelo Garoto do que pela Garota. Quando Olímpia apareceu gravida, acho que assim como todo mundo, saquei que um dos bebês era dela, e pensei  que o motivo de Malorie  gostar mais do garoto fosse por ele ser filho da Olímpia, e que o autor  tivesse intensificado o laço dela com o Garoto para demonstrar o quando Malorie pensava nos outros acima de si mesma. Descobrir o inverso foi uma surpresa feliz. Muito mais verdadeiro, muito mais humano nutrir mais orgulho pelo seu próprio filho,mesmo que essa diferença se dissipe com o passar do tempo.

Ai começam os problemas,crianças de 3 anos carregando baldes e de 4 anos remando? OK elas estão sendo treinadas pela mãe para isso mas mesmo assim,acho que isso foi forçar um pouco a barra
Fiquei um pouco decepcionada, tenho que admitir, por que adoro aquele momento em que descobrimos exatamente a história do que está causando o caus, adoro livros de terror
que explicam a historia do que tornou o personagem ruim, do que atraiu os demônios, de o que são as criaturas/etês/bichos  e etc, que estão causando a morte e destruição, mas  neste livro isso tudo ficou vago e eu fui até o final esperando uma explicação,não ter nada além de suposições foi bestante frustrante. Também achei o fato de os nomes dos amigos serem dados as crianças meio clichê, mas isso não é nada que eu não consiga superar.
A questão do lugar para onde ela vai no final é até que legal, uma boa sacada. A morte dos personagens também foi interessante, gostei do fato de o Gary ficar escondido, ele apenas esperou um momento perfeito para testar sua teoria, afinal o Gary prova que as criatura só podem endoidar quem é mentalmente estável e que provavelmente não passam de algo com que uma mente normal não pode lidar,mas o que ? Por que ? Como isso vai tirar meu sono muito provavelmente por algumas noites  aguardo ansiosamente por alguém tenha alguma sugestão, alguma teoria. Ainda estou me perguntando se não pulei algumas páginas sem querer e perdi a explicação O.o ( minha cara isso)

Por que esse é um livro tão aterrorizante?

Na minha opinião essa sensação de terror não está somente associada ao fato de lá fora existirem criaturas capazes de levar ao suicídio, é claro que isso é uma questão complicada, mas não chega a ser a principal.
O que causou em mim uma impressão tão forte foi a forma como o desmoronamento da sociedade causou mudanças no ser humano, O fato de aquilo que chamamos de humanidade ou de  atos desumanos estarem ligados a um conjunto de situações especificas. O mundo mudou de uma maneira tão drástica que você já não pode mais confiar nem em pessoas que você conhecia e convivia, muito menos em desconhecido.
Com relação as criaturas lá fora acho que o grande problema é a situação de terror constatante por elas criado. A luz do dia não traz alivio, como na maioria dos livros  de terror, o perigo  nesse caso está sempre pairando e isso somado a sensação de desconfiança por tudo e todos fez com que eu me colocasse no lugar dos personagens que são pessoas em constante estado de alerta que não podem se dar ao direito de diminuir a vigilância nem nos momentos mais extremos.


Minhas partes Favorita :

  •  O momento em que Malorie tem que escolher entre abrir ou não os olhos, no final 
  •   Quando Malorie diz a seguinte frase : O mundo está trancadona mesma caixa de papelão que abriga os pássaros lá fora

Gary.

  •   A forma como o autor apresenta pessoas normais como personagens centrais.


Não gostei :


  •  Do suspense que se manteve a respeito das Criaturas
  •  Da noção desproporcional entre as capacidades de uma criança de 3/4 anos e as ações que os filhos de Malorie realizam ( não com relação a super audição, isso eu achei legal, mas com relação ao peso com que tem que lidar no momento de buscar água no poço e remar no rio).






Nenhum comentário:

Postar um comentário